• slidebg1
  • slidebg2
  • slidebg3
  • slidebg4
  • slidebg5
  • slidebg6
  • slidebg7
  • slidebg8
  • slidebg9
  • slidebg10

Descrição

APRESENTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO:

A Igreja do Divino Espírito Santo, em Santo Antônio, bairro histórico do Recife, marca uma paisagem histórica que agrega camadas de ocupação do bairro de Santo Antônio. Traz em si registro do local onde existia o antigo colégio jesuíta, da revolução de 1817, do antigo Grande Hotel (hoje fórum Tomaz de Aquino), e ainda se relaciona com a Praça Dezessete que possui desenho do grande paisagista Roberto Burle Marx. Além disso, está ao lado da Igreja Conceição da Congregação Mariana. É nesse local complexo de imagens e sensações que se consagra a belíssima edificação do século XVII.

BREVE HISTÓRICO:

No século XVII, com o objetivo de atender a demanda dos filhos da população do Recife para estudar, foi construído o primeiro colégio dos jesuítas e Igreja de Nossa Senhora do Ó (atual Divino Espírito Santo). Com a expulsão dos jesuítas, o colégio passou a servir de Palácio, sede do Governo, quartel e sede da Faculdade de Direito do Recife, ou seja sofreu várias modificações ao longo dos anos. Foi demolido posteriormente restando do Conjunto só a Igreja e a anexa, da Congregação Mariana. A igreja serviu de estribaria, depósito e foi se arruinando até 1855 quando foi entregue a Irmandade do Espírito Santo e restaurada ao culto. Pouco restou da época dos jesuítas. O antigo frontspício em pedra lavada foi demolido em 1823 e o interior foi descaracterizado pelas sucessivas modificações. Esse elemento importante da arquitetura original da igreja teve como justificativa para sua demolição a alto risco a segurança da população em virtude de seu péssimo estado de conservação e para dar lugar a adaptação ao gosto estético da segunda metade do século XIX, conforme documentos constantes dos autos do tombamento. O partido da planta dessa Igreja também merece destaque e é lamentável a destruição do nártex em um andar saliente do corpo da Igreja com disposição típica e própria, suportado por colunas.

PROTEÇÃO AO PATRIMÔNIO:

A Igreja possui diversos níveis de proteção. É tombada pelo IPHAN (Instituto Histórico e Artístico Nacional) em nível nacional (processo nº 866-T-62, insc. nº439, livro de História, folha 72, data 07/12/1962), e pela FUNDARPE (Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco) em nível estadual (Livro Edifícios e Monumentos Isolados, folha 04, nº47). Ela também está localizada no sítio histórico municipal da ZEPH-10 (Zona Especial de Preservação Histórico-Cultural dos bairros de Santo Antônio e São José) em seu setor de preservação rigorosa (SPR) submetida as recomendações e diretrizes da Lei nº13957/79, decreto municipal nº11.693/80, além do Plano Diretor do Recife, Lei nº17511/08.

DADOS GERAIS[1]:

ANO DE CONSTRUÇÃO:

Século XVII

AUTOR DO PROJETO:

desconhecido

ÁREA CONSTRUÍDA:

1600,00m2

TIPO DE USO:

Religioso

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA:

Rua Imperador Dom Pedro II, s/n, Santo Antônio, Recife

LOCALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA:

LONGITUDE : -34.876963

LATITUDE: -8.065576

Nº TOMBAMENTO IPHAN:

processo nº 866-T-62, insc. nº439, livro de História, folha 72, data 07/12/1962

Nº TOMBAMENTO FUNDARPE:

Livro Edifícios e Monumentos Isolados, folha 04, nº47

PRESERVAÇÃO MUNICIPAL:

ZEPH-10 / SPR


[1] Dados aproximados, retirado no site da Prefeitura do Recife. Disponível em: http://www.recife.pe.gov.br/ESIG/ Acessado em: 07/08/2018 as 20h52min.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

IPHAN. Processo de tombamento. 1938. Acessado na biblioteca da instituição.

RECIFE, Prefeitura do. Licenciamento Urbano. Zoneamento Urbano. Prefeitura do Recife. Disponível em http://www.recife.pe.gov.br/ESIG/ Acesso em 01 de agosto de 2018.

SILVA, Leonardo Dantas, 1945. PERNAMBUCO PRESERVADO: histórico dos bens tombados no estado de Pernambuco. 2ª edição. Recife